Caem as folhas,
O ar rarefeito.
Falta-me coragem,
Para sair do casulo
Em que me coloquei.

Caem as pétalas
Das folhas secas,
Falta-me animo
Para vencer as barreiras
De um deserto humano.

O chão árido machuca os pés.
A água um bem imprescindível,
Perde-se na incoerência das pessoas
Perdem-se todos os dias,
A chance para construir um mundo melhor.

Caem as nuvens densas
Pousam na superfície
De uma terra esquecida,
Apodrecida pelos interesses céticos.

Caem os valores e as verdades,
Mas só amor resgatará os sobreviventes,
De um planeta agonizante,
Só a tolerância reconduzira
Os que se perderam no preconceito.

Em minha poesia,
Que caiam apenas os inúteis
Que usam o poder das armas
Para forjar a paz.

Em minha poesia
Que apenas as palavras doces
Adocem as almas desalentas
Que a verdade não seja essa
Que vimos todos os dias
Sangrar pelas ruas...

Que a verdade,
Seja o tocar das mãos
O acariciar das peles
O calor dos abraços
Que assim seja, amém!

Autora:
Liê
paz e luz

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Atravessar a Ponte!