Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2010

Meu filho autista!

Imagem
Sinto que o meu filho
Precisa de um olhar
Que não o exclua.


Mas meu filho
Não precisa de piedade
Nem que desviem seu caminho.
Pois não precisam temê-lo.

Meu filho
Precisa de um futuro !
De uma sociedade que o acolha.
Meu filho não precisa de médicos caros

Precisa de alguém que o ame
Incondicionalmente.
Que veja nele um ser que na sua diferença
Possui milhões de possibilidades.


Meu filho não precisa
De promessas falsas
Meu filho só precisa
De um abraço amigo
Uma mão segura.


Ficamos aqui, um ao lado do outro
Mãos dadas, numa cumplicidade de almas.
Mas há um mundo lá fora
E meu filho é uma presa fácil...
Quantos iguais a ele.


Somente a espera de alguma luz.
Desse desprendimento...
Um estado lúdico de estar
Porque mudar? A quem agradar?


Choro e saio de mim
Quando vejo desrespeito por sua pessoa.
Volto e lhe digo:
Vem rapaz, ainda estou por aqui
Se apóie em mim, vamos a enfrente.


Vamos vestir nossa esperança
Calçar nossos passos.
Para que entender esse mundo
Que não faz questão de entendê-lo.


Vamos seguir nessa estrada
Pedr…
Imagem
Ainda posso sentir o vento frio
Ainda ouço seu uivar na janela,
Ainda vago por sonhos
De ser um dia feliz.


Ainda a lareira está apagada
Triste alma vagar por sua saudade
Ainda amo as noites de outono
Quem sabe ela voltará.
Entrará pela porta
Cobrir-me-á de urzes
Quem sabe eu renascerei das cinzas


Ninguém me ouve nem me vê.
Ninguém me reconhece nas entrelinhas
Nem se lembra da minha luta.
Para vencer a solidão...
Mas eu devo enterrar meus medos


Nem reclamar do momento passado
Nem da inspiração enterrada em meu peito.
Fui eu que me refugiei nas minhas histórias
Escavaquei minhas dores
Por não acreditar nas pessoas.


Mas se tu ler esses versos
Não pense que me entreguei
Jamais,
Vou arrastando meus sentimentos
Em correntes quebradas há séculos
Ofereci-te minha lealdade
E dela eu não fugirei...


Mas se alguém tiver
Um colo amigo,
Um canto que eu posso descansar
Dessa mente arredia
Aceitarei humildemente
Preciso de um pouco de paz!


Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz.

--------------

Eu! algo em incomum
Indecifrável
Eu! Combatida,
Venci…
Imagem
Estamos aqui!
Eu e você
Os dois cachorrinhos
Deitados ao nosso lado.


Você com o mesmo sorriso,
Ouve atento
A nossa seleção de musicas
Tão antigas
Quanto a sua mãe...

De repente
Você pega em minhas mãos
E começamos a dançar
Quanta magia nesse instante.

Ainda o velho e bonito sorriso
Dessa foto...
Você carrega,
Mas quero crer
Que nada nos fará perder
A semelhança do sorriso
Amo vê-lo em seu rosto

Quanto tempo se passou meu filho!
Sua velha mãe
Percorreu todos os abismos
Mas criou asas o suficiente para não cair...
Voar, voar pelas nuvens da esperança.
Insistir, errar, insistir e errar.


Eis a nossa fórmula.
Eu te abasteço de musica e poesia.
Você me dá aquele abraço
Conquistado em gotas suaves...


Vou te confessar
Que perdi um pouco desse sorriso
Aqui visto.
A vida às vezes arranca-o de nós...


Mas o seu sorriso
Jamais esquecerei.
Ele esta gravado em minha alma.
E o levarei para eternidade

Para mim tudo são dores e poesia
Mas também são sabores e alegria.
Porque para nascer à poesia
Nada se veste de lógica.


Carência é a palavra c…

Farol!

Imagem
O que faço com os sentimentos
Que ainda não sentimos?
O que faço com o jardim
Que ainda não plantamos juntos?


Você tentou fugir
Mas a vida te pegou de jeito
Disseram um dia
Que não veríamos o por do sol
Ao entardecer...


Que nada tinha significado.
Somente um mundo concreto,
De emoções concretas.
Seu refugio ao ninho da solidão.


Mesmo hoje insistem
Que você tem um mundo paralelo
Que sua escuridão mental
Impede-te de sentir...


Dualidade da ciência
Pois o seu mundo é esse
Em que vivemos
Sua captação mental


É que lhe impede de compreender
As subjetividades dessa sociedade.
Mas o amor é heterogêneo
Alcança-te no mais profundo


Nesse iceberg pronto para degelar
Para derreter de amor...
Mas a nossa incoerência agrava-se
Aos olhos da humanidade.


Existe a dor e o alivio
A união e um distanciamento
Numa guerra de conceitos errôneos.
E assim cavamos nossa trincheira


E de lá observamos as estrelas
De lá nós descobrimos nossa força
Nos armamos de paciência.
Flores em meio a tanta covardia.


E o que você transmite hoje?
Um olhar caridos…
Imagem
Estava aqui a procurar
Um poema antigo
Um sentimento velho
Que me inquirisse

A entender
Esse caminho traçado
Passado que nos importa?
Abrimos portas


Fechamos outras
Cavamos angústias
Enterramos lamentos
Do que nos adianta?


Há tantos exemplos
De combate árduo
Mas nossa luta é nossa.
Eu fecho os olhos
E posso enxergar melhor.


Eu tranco a desesperança
Dentro de uma caixa em meu peito
E deixo somente a liberdade
De sofrer me tomar...
Mas não deixo a dor me vencer


Quero chorar até derreter.
Mas jamais secar meus sentimentos
Pelo cachorrinho abandonado
Pelo velhinho cansado
Pelo ser humano ao meu lado.


Que ironia,
Somos cria do nada
Bactéria evoluída.
E a nossa maior dimensão
É somente onde nosso olhar pode alcançar


Mas eu vejo acolá...
A Poesia me permite.
E no abismo de mim mesma
Um ego de minha consciência
Toma-me e me cobra.


Não quero repensar o já pensado
Não quero rever o já visto
Quero pensamentos novos
Quero paisagens renovadas


E o medo enterrado bem fundo
Onde ninguém poderá encontrar
E nem eu me deixar tocar por ele
Quero…

Poema para Gabriel!

Imagem
Você foi pego de surpresa
Você foi arremessado ao solo
Você queria se libertar
Eu impotente!


De repente o trovão da dor
Tomou meu coração
Mas que maldade
Você estava tão feliz!


Coloquei a tua musica
Mas você estava agora mais longe
Preço num corpo a se debater
Será que não voltará, pensei?


Mas logo agora que o nosso amor
É tão nítido,
Agora que estas tão perto
Dançamos momentos antes


Mas seu corpo contorcido pedindo ajuda.
Eu perdida entre abraçar-te
Proteger-te daquele furacão
Ou correr de tudo aquilo.
Onde você estava preso?


Num rodamoinho de sentimentos
Entre o pranto e a esperança.
Você voltou perdido
Entre o susto, o sangue

E os meus olhos
quase não podiam enxergar-te.
Você valente queria levantar e andar.
Afinal não era seu aquele pesadelo.
Poucos minutos antes estavas a bailar.


Dura realidade que sem avisar
Vem tomar nossa manhã...
Mas seu abraço querendo carinho
Suas mãos procurando as minhas mãos.
Nossa realidade naquele corredor
Frio de seres machucados.


Aproximou-nos mais...
E se teremos que enfrentar
Mais …

Esse é o nosso Mundo

Imagem
Nosso mundo se reduz
A poesia e a música
E nesse emaranhado
Em que vivemos

Adoro ver sua alegria
Ao som da sua melodia.
Queria fazer uma releitura
De sua gravura no quadro


Antes, com o olhar distante
Hoje com um semblante tranqüilo.
Será a idade que teima em chegar
Também para você?...
Nosso espaço milimetricamente desarrumado.


E você somente se preocupa com uma bolsa.
Ritualiza sua existência
Para que a mesma tenha algum sentido
Seu cérebro pronto para vencer


Os neurônios- espelhos, encurtados pela genética
Mas seu jeito maneiro de ser
Simples no caminhar pela inocência
Faz-me pensar...


Quem eu desejaria que saísse daí?
Há uma beleza de alma em ti.
Infinitamente além da nossa compreensão
Mas também há os encarcerados da dor
Que se debatem para arrancar aquele ser
Que não consegue fazer-se entender...
Então, a ponte é a expressão...


A compreensão por sua forma diferente
Limpar a pele e a carne
Amar o toque o carinho
Criar uma estrada perene

Sem dores inúteis...
Não lutar contra a vida
Cavar o mais fundo do nosso int…
Imagem
Há um jeito passional de gostos
Há uma forma inexata de sentimentos
Quem nunca provou o gosto amargo
Da solidão em meio à multidão!
No relento de uma manhã fria
Corpos caminham sem alegria.
Nenhum rastro de luz...


A cinza dos pensares predomina.
Como rua suja que ninguém limpa...
Restos e mau cheiro...
Um dia alguém me prometeu o céu!
O mundo se extingue em lentas atitudes.


Mas eu persigo a ponte que me libertará
Disso tudo,
Sons e gritos, tiros e morte.
Há um jogo injusto dos engravatados


E ninguém consegue ser feliz
Quem poderia nesse caos?
E eu procuro a cura da alma
Pois á do corpo já nem há...


Há uma falta de encanto nos rios poluídos
Há uma sede de água que não se bebe
A fonte de uma cachoeira.
Que imagino logo ali na esquina.

Não há tempo para amor
Hoje rápido como fast foot.
Mas nem de longe se avista
O verdadeiro amor.

Que perdeu sua identidade
Em cada coração de pedra.
Quebra-se e nenhuma lágrima a cair.
Seu álibi de que vida é pratica
Não me convence...


Pois na praticidade do dia
Cavo em mim a poesia
Não há…
Imagem
Eu vou viver
Ou vou morrer
Sem entender
A lógica de alguns discursos!


Cintila em minha mente
Uma crença que não é um dogma
É uma sensação de eternidade
Que não vem das escrituras.


Pois ela não pressupõe perfeição
Ou pecado, é uma lei natural.
Esse elemento de luz
Que não vem do sol,
Nem das estrelas
Vem do meu interior
Que busco desbravar a cada dia.

Há uma escuridão de olhos.
Sim há um jogo milenar de interesses
Mas há uma estranha pessoa
Que habita em mim...
E que não sou eu...


E se desprende de mim
Em noite de chuva branda
Que não assusta...
Que me acalenta.


E vaga por galáxias distantes
Por terras férteis de flores
Que reencontra rostos conhecidos
Que descansa do corpo...


Inerte e findo...
Que se ali ficasse e apodrecesse
Pouco  importaria para o ser que partiu...
Dormir é morrer...
Sonhar é viver.


Acordar é renascer
De algum lugar
Que um dia com certeza
Retornaremos.


Por isso o temor se vai
Na manhã que chega
No despertar da consciência.
Da rotina vencida pela crença!




Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz
Imagem
Hoje mais que ontem
Precisamos acreditar
Na imensidão do mar
No brilho das estrelas.
No perfume das flores.
Que haverão de nascer
Em nosso caminho


Não é fácil essa luta
Nada será para sempre
E o sempre é tão pouco
Há tanto por fazer
O som da chuva
Que caí nos acorda
Faz-nos mais fortes.


Sorte? É para poucos
Só o trabalho vale o suor
O cansaço do corpo
Não é o mesmo da alma.
A alma se alimenta de paz, de fé.


Observe o bem nos olhos do amor
O principio de todas as coisas
Observe o bem
Da abelha produzindo o mel
Como é perfeita a criação.
Hoje mais do que nunca
Precisamos acreditar


Que venceremos essa luta desigual
Do autista contra o preconceito.
Esse conceito frio
De que tudo é igual e deve ser assim


Mas somos tão diferentes na igualdade
Amar o reflexo distorcido de nós mesmos
Às vezes dói
Mas não amar é pior


Sigamos a voz do vento
A sussurrar esperança
A nos levar para longe
Longe da dor e da indiferença.


Vamos de encontro ao horizonte
Essa é a nossa meta
E lá haveremos de encontrar
O verdadeiro sentido de existir
Corpo e Ess…

Poema de amor materno!

Imagem
Tú és a mãe e a pessoa
a detentora do amor
Teu filho já nascera
crucificado pelo preconceito.

Teu filho não sabe de tua maternidade
Teu filho não é enxergado pela humanidade
Mas tú és a mãe.
Das horas insones,
Da realidade concebida...


Tu és a menina
Que desde pequena intuía
As dores do planeta...
Nas chagas do filho de Maria.


Hoje refletida nos olhos
Do teu filho distante.
Nos olhos das mães do mundo!
Que sofrem  por serem condenadas.

As que esperam realizar seus sonhos...
Da cura de um filho deficiente
Talvez para que ele tenha alguma chance
De sobreviver nessa selva de pedra...

Fria sociedade elitista
Condenou o filho do mundo
Condena nossos filhos também.
Mas há aquelas que querem
Somente ser elas mesmas


A! Quanta responsabilidade
Para que os seus filhos cresçam
E se façam libertos e felizes
Quantas nem sabem

Como é realmente viver
Não tendo que ser a responsável
Pela proteção de suas crias...
Quem as julgara?

Quem as condenará
Se o mundo se extinguir...
Conceberam e sonharam.
Crucificadas e em carne viva.


E pedirão …
Imagem
Eu vou te dizer
O que sinto filho.
Eu sinto um medo profundo
Nada poderia tirar do seu rosto
Esse sorriso.

Eu tenho que esquecer o que penso
Eu tenho que viver o hoje
Mas o futuro bate constantemente
Em nossa janela
E me avisa que estou envelhecendo.
Que tu cresces sem crescer por dentro

E o meu sorriso molhasse de lagrimas
E eu me refugio nas palavras
Enquanto você se refugia na musica.
E o tempo nos persegue
Força-nos a seguir, sempre seguir.

Pés calejados, sonhos replantados.
Mas te confesso filho
Que quanto mais caminho
Mas desejo descansar dos meus passos.

Quanto mais penso
Mas desejaria não pensar...
Deixar as ondas do mar nos levar,
Deixar a vida envelhecer sem dores
Deixar a nossa história relatada em poemas.

É o que tenho para te oferecer
Meu interior de poeta
Meus sentimentos de amor profundo
Meu pedido de perdão por tantas falhas.

Mas já é hora de irmos dormir
As luzes precisam ser apagadas
Nossa vida reinventada
Mas deixemos para amanhã

Hoje já cantamos, dançamos.
Passamos pelo dia sem maiores problemas
S…
Imagem
Siga-me
Eu não tenho
Para onde ir
Mas siga-me

Talvez nossos caminhos
Se cruzem
Talvez seu olhar
Encontre-me

Talvez sejamos
Há muito conhecidos
Mas se não encontras
Um lugar que seja seu


Siga-me
Pretendo ir de encontro
Ao sol...
Pretendo
Ter um canto só meu


Pretendo
Completar meu trajeto
Só Deus sabe onde ele dará
Mas se seus pés não estão cansados
Tire os sapatos
Fique descalço como Jesus


E siga-me
Estou procurando suas pegadas
Elas não estão nas igrejas
Nem nos cultos, nem nas palavras
Elas estão dentro de nós
Em nossos atos


Mas creia,
Não me perderei de mim
Não fugirei de minha intuição
Não tema
Siga-me
Minha sombra
Guiar-te-á.


Precisamos descansar dos males
Precisamos reatar nossas crenças
Completar nosso destino
Então feche os olhos da razão
Abra-os da emoção
E siga-me!


Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz
Imagem
Não faz tanto tempo assim
Que eu sabia dos casos passados
Que eu não precisava de respostas


Pois,
todas estavam dentro de mim
Quem cavasse bem descobriria
O que trago em meu interior.
Finjo que nada me aborrece.


Finjo que a concordância
De minhas idéias são exatas
Com meus sentimentos.
Dois e dois são cinco...


Miséria de sonhos
Que não saem de mim...
Preciso acordar e vestir a vida
Calçar o destino


Driblar a solidão, ser gentil.
E sorrir,
Essa eterna vontade de chorar.
Mas quem acreditará?


Que no poeta
Tudo é irremediavelmente frágil
Apesar da aparência forte.
E essa musica que se repete


Eu queria quebrar o disco
Riscar a parte da memória
Que me condena a lembrar
De coisas que fazem sofrer

Mas esquecê-las
É não aprender
Não ser, não ver, não ter.

É passar como brisa
Na cortina do pensar
Nenhuma importância terá!


Quem ler saberá.
Que ali, naquelas linhas.
Existiu um poeta pleno
De letras e palavras
De sentimentos e vontades!



Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz...

Fadinha!

Imagem
Quem disse
Que os milagres não existem
As flores ficaram
Mais lindas nessa manhã


A vida uma dádiva...
Não quero correr
Quero dar passos lentos Retomar o caminho


O mesmo caminho que
Trouxe vocês de volta...
Nenhuma pressa em meus passos
Tudo agora é feito em câmera lenta


Quero ter tempo para relembrar
Cada instante de vida ao seu lado
Sinto tanto sua falta
E o milagre do amor


Que vive por si
É tão independente
Que mesmo sem ser amado
Ama...


Nasce e Renasce
Em minha memória
E os cantores ainda
Cantam o amor.


Eu ainda quero
Um grande amor
Que me faça sair
Desse abismo de solidão


O milagre da felicidade tão almejada
A fuga do real
A busca do cristal
Partículas de sonho
Que pode transformar
A vida em milagre!


Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz
Imagem
Sinto falta
do que ainda não vivi
Sinto falta
Do que ainda irei viver
navegar por outros mares.


Do que você sente falta?
Fico a imaginar meu filho.
Talvez de uma mãe menos complicada
Talvez da infância perdida
Talvez do caminho que te perdeste.

Sinto falta das trocas não vividas
Sinto falta de não ter entendido
Os desígnios, as vezes tão cruéis.


Sinto falta do meu sorriso aberto
Aquele que se perdeu do meu rosto
Sinto falta de um colo de mãe
Aquele que jamais existiu.


Sinto falta das palavras doces
aquelas que se perderam do meu paladar...
Sinto falta do aconchego de um carinho
aquele breve que tive sem nada pedir.


Sinto falta de algo meu
apesar de nada nos pertencer
Nem você perdem-se.
Sinto falta da melodia romântica
fazendo nosso coração bater mais forte.


Mas você ouve a tua maneira
aquela velha musica e sorri
o quanto eu gostaria de fazer o mesmo
Nossas vidas tão embaralhadas.


Não vê,
Que sua velha mãe
ainda pulsa de vida
que precisa amar e ser amada.


Mas você segue sem saber
Se eu sofro ou o que eu sinto
Mas teu …