As mãos limpas
A roda da vida
Gira em torno
Dos nossos sonhos...

O Doce do mel
O Quanto à abelha labuta
Para dar sabor ao nosso paladar
Muitas vezes amargo...

A consciência tranqüila
Quem nunca errou,
Quem nunca pecou
Por acreditar na eternidade do amor...

O destino é cruel,
A galope corre a nossa frente
Mente quem nunca,
Quis parar as horas
Naquele momento único
Que passa como vento...

A sede das nossas bocas
Muitas vezes não é de água...
É de um beijo que dure mais...
E nos faça crer que nada acabou...

A rotina precisa de mágica...
Precisa seguir sua rota
Mas como é boa aquela surpresa
Que nos faz crer no amanhecer....

É! Mais ainda falta muito por aprender
Que o tempo não pode apagar...
Passos, já dados, amor já vivido...
E aquela alegria, que só tem sentido se dividida!

Autora
Liê Ribeiro

paz e luz









Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Atravessar a Ponte!