Oh! Mundo grande
Ou terra pouca
Já passei do ponto...
Alguém parado na estrada
Será alguém conhecido?
Em país de grego...
Toda ruína é arte...

Oh! Vida curta
Em se contando
Os séculos...
Quem revelará
O segredo?

Detesto pontos de interrogação
Nego-me a citá-la...
Não se importe comigo
Eu sobrevivo à vida.
Eu reinvento o dia...

Nada, nada é definitivo.
Quando me machucam
Eu escrevo...
Eu deixo jorrar minhas dores.

E depois fecho os olhos
E me perco em lembranças tantas...
A! Quem pode negar sua própria trajetória
E se, não me cai bem...
Se, impede a nossa consciência.
De cobrar-se...

Gosto do sempre...
Não creio na terminalidade das existências
A eternidade me parece uma mãe acolhedora
Que espera pelo filho pródigo...
Que vaga pelo universo, e depois retorna.
O principio foi ontem... Sigamos...

Autora
Liê Ribeiro

paz e luz

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Poema FELIZ ANO NOVO, PARA MEU FILHO, GABRIEL, autista.