Cale-te eu preciso pensar...
Mas na verdade
Eu queria calar meu cérebro...
Marteladas que me enlouquecem.

O futuro é amanhã
O que nos faz viver do passado?
Aquilo que deveríamos fazer e não fizemos
Ponto encerrado; sigamos...

O ontem não volta...
A dor de ontem não pode doer eternamente...
Enterremos as antigas mágoas
Mas que coração teimoso, ainda sofre...
Ainda bate pelos corações de pedra...

Vou amar-te mais para compensar
Sua solidão autistica...
Quem me amará também, além da medida.
Para que eu possa ter forças para seguir?
Vivo num labirinto constante,
Eu entro por um lado, você vai saindo por outro.
A! Quando nos encontramos, que sorriso...

Que ironia, quero ser sua interprete.
E mal compreendo o queres de mim
O que queres do mundo...
Repetes frases desconexas,
Jogadas em seu cérebro seletivo...

A! Quem me dará uma cama de nuvens
Poxa, eu preciso descansar,
Às vezes acho que preciso descansar de mim...
Descansar de ti, do mundo, da lida...

Mas que pretensão,
Tenho que continuar,
Afinal você depende de mim
E eu dependo da minha inspiração
Para não sucumbir diante da vida
E dessa realidade que ninguém
Poderá viver por nós, eu te amo!

Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Poema FELIZ ANO NOVO, PARA MEU FILHO, GABRIEL, autista.