Dizem que há um eixo...
O principio de algo maior...
Um meio de algum fim
Que nunca acaba...

Quase somos normais...
Quase somos iguais
Quase somos felizes...
Quase somos perfeitos...

Dizem que a poesia é rara
Que o poeta é lúdico
Louco, desvairado, apaixonado.
E apaixonante...

Mas que Ironia,
O poeta escreve sobre a dor
Do amor que dói e corta
Do rosto que se perde...
Na multidão que vai...

Da perfeição que nunca chega...
Da partida constante de quem amamos...
Da solidão que nos rodeia e nos abraça
Como se já nascesse conosco...

A sombra da nossa consciência
Que nos cobra e nos remete
A longa fronteira entre a sanidade e a loucura...
Sim, nem o poeta está imune...
As fendas da alma desatenta....

Esse jeito todo próprio de sobreviver
A cada vida,
A cada lida
A cada morte, o renascer....

Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Poema FELIZ ANO NOVO, PARA MEU FILHO, GABRIEL, autista.