Eu vejo um cais
Eu procuro gaivotas
Eu preciso me soltar

Para quem nunca amou
A vida é dura e seca...
Sem nenhum sabor...

Eu vejo um mar
Que vida rasa sem amor
Podemos viver...

Para quem nunca sorriu
O sol nunca sairá...
Ventos e nuvens...

Eu vejo a neve
A solidão é tão fria.
Para quem nunca teve fé
A morte é sempre o fim...

Eu vejo um céu...
E toda a eternidade
Mas para quem sofre
A dor nunca alivia

Lateja, arde...
Sangra numa constante
Tortura...

Mas nessa manhã
Eu vejo as rosas no jardim
E assim eu vou sorrir...

Vou ter fé
Vou amar,
Viver
Na dança das folhas
Eu vejo a esperança, vou segui-la!

Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Poema FELIZ ANO NOVO, PARA MEU FILHO, GABRIEL, autista.