Desconverso
O avesso é o direito...
Desminto
Não há felicidade fácil...

Desmereço
Os desatentos da alma
Os que vendem vantagens
E Barganham a fé...
Por pedaços de papeis

Desfaço o mal entendido
Eu quis dizer exatamente nada...
Afinal ninguém entende
Dos sentimentos profundos
Afinal o sentir é raso
Todos temem se afogar...

Descalço ando em pregos
Afinal meus pés querem sangrar
Por andar ao contrario
Dos que pisam em ovos...

Desnuda a hipocrisia
Afinal o que realmente somos?
Um punhado de carne a se desfazer
A qualquer momento...

Desmonto meus sentimentos
Preciso refazê-los
Domingo é o melhor dia
Para arrumar gavetas internas...

Redescubro caminhos
Eles não são estreitos
Nem largos
Eles estão dentro de mim...

Mas não me esqueça aqui esquecida
Nesse deserto de pedra
Com tantos seres estranhos
Resgate-me, preciso seguir.


Descansarei
Afinal meu corpo
Acompanha meu cérebro
Preciso sonhar
Preciso refazer meu ser
Crer na finalidade da vida!

Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Poema FELIZ ANO NOVO, PARA MEU FILHO, GABRIEL, autista.