Eu não queria
Dar importância
Ao sentido obscuro
Do que quero
Ao que eu realmente posso.

Eu queria que o dia
Não tivesse tantos objetivos
E apenas passasse calmo...
Numa lassidão do pensar...

Eu não queria
Ter que ouvir receitas
De uma regra que nunca foi para todos.

A tanta diferença nos iguais
A tanta incoerência nos pensares
Que a vida essa escola repetida
Vai-nos mostrando como é simples vive-la
Como somos complexos em entendê-la.

Nossas vidas sempre atreladas
Há tantas mais que se unem para formar
Uma casta em extinção...
Numa consangüinidade relativa
Que dizemos ser família...

Eu não queria
Que a relutância das horas
Pesasse sobre meus ombros
Essa ambigüidade de palavras e sentimentos
Que nos toma á todo o momento...

Mas como o curso do rio
Sempre terá sua nascente
E todo rio deságua no mar
E todo sentimento é valioso e nos ensina...
Vou cumprindo minha sina...
E sorrindo minhas lágrimas
E vencendo meus limites....

Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Atravessar a Ponte!