No silencio da noite
Onde o céu de estrelas
Forram meu eu...
Eu visto uma nuvem...
Eu te abençôo..
Rezamos e cantamos
Agradecemos cada lida
Cada dia nessa hora solene.

Mas não nos cobramos...
Nem ao menos praguejamos
Apenas calçamos nossa aflição...
Vencemos nossas limitações.

Pois eu sou eu...
Assim meio torta, meio luz, meia escuridão...
Pois você é você...
Meio distante, meio perto, quase meu...

No silencio da nossa existência
Eu vejo uma porção de vidas...
As que nós vivemos e as que ainda viveremos.
Lições pequenas de duas almas errantes.


Muitos momentos de dores...
Muitos momentos de sorriso,
De perdas e ganhos...
Mas no final,
Eu sou eu...
E você é você...

E se eu te enxergar além do autismo
E se você me achar em meio a sua solidão...
Andaremos pela madrugada
E eu sei que você me amará.

E mais, eu sei que você já me ama.
Só ainda não sabe como demonstrar...
Ou até já demonstra, quando sorri e me olha...
Como se dissesse que bom que você existe.

Autora
Liê Ribeiro.

mãe de um rapaz autista.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Atravessar a Ponte!