PIease, not Again

Pensei em todas as possibilidades

Reavaliei todas as normas formais

Alguma justificativa para a dor...

Encontrei frases jogadas em minha mente

Please, not again...

Porque em inglês

I don´t Know...

Mas há algo de sutil

Nas alamedas do meu sentir...

Reflexos e sombras de um passado vivido...

Não posso colocar limites...

A frase é forte,

Talvez a sorte me sorria...

E a tarde é fria, e a manhã foi chuvosa

E a Noite misteriosa vem chegando

But please, survive...

Preciso reencontrar caminhos...

Desviar de trilhas,

Caí na armadilha do destino...

Vou assim vagando...

Mas que conversa fiada

Você mal sabe inglês...

Mas o que são esses flashes?

Sou estrangeira na minha própria casa

Que língua ferina...

Enquadra os verbos,

Alinha o sujeito

Não acredita em predicativos

Eu estou longe da perfeição

Somente o sentir me conduz...

Com S ou Z...

Que o digam os léxicos...

That is My way...

Eu vou apenas sentindo

Que nesse meu interior poético

Eu misturo as palavras num caldeirão...

Mas jamais minto para mim

Pois o que sinto é verdadeiro

E a vida se é curta e passageira

Não buscarei explicações cientificas

Para vivê-la...

Foram as moléculas ou os moluscos

O principio de todas as coisas..

Seja o que for...

Uma inteligência premente há...

Sinto nas águas do mar...

No por do sol nas montanhas...

No arco Iris após a chuva

São tantas belezas, natureza

Please don't leave again

Perdoa ninguém parte em definitivo...

A! Esse trem poderia nos esperar...

E juntos seguíssemos sem medo...



Autora

Liê Ribeiro

Paz e luz

Comentários

  1. As nossas esperanças continuam firmes,
    não se arruinaram.
    E a chama de nossas almas brilha pela eternidade.
    (C.B.)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Atravessar a Ponte!