Fazemos escolhas

Muitas vezes

Que nos entristece

Mas a água corre,

Rio abaixo.



O tempo escorre pelos nossos dedos...

E as concessões nos aniquilam...

E as poucas horas corroem aos poucos

Toda a eternidade de uma vida limitada...



Mas os olhos fogem pela fresta da janela...

Os pés querem pisar toda areia do mar...

O corpo quer adormecer aninhado a outro corpo...

E o silêncio da madrugada,

Sussurra em nosso ouvido:



Há uma manhã fria por nascer

Uma flor por brotar...

Uma menina que corre pelo jardim

Independentemente da nossa escolha



As nuvens de chuva choram...

A terra se encharca,

E o frio corta nosso rosto

Nenhuma lágrima caíra nesse momento,



E todo sonho acordou...

É a vida com sua rotina...

Castigando nossa consciência

E nessa tarde sombria e quieta



Vestimos a pele do isolamento

Bebemos o chá da compreensão

E acompanhamos o tempo...

E quando todas as coisas passarem?



E nada mais tivermos para fazer...

E quando olharmos para trás

E o melhor de nós tiver ficado

Em qualquer encosta?

Num travesseiro qualquer...



Saberemos exatamente o que perdemos

O melhor do abismo é o som

Que fere nossos ouvidos

Tola sonhadora, sagaz e sem escrúpulo

Aproveite a chuva da tarde e adormeça

Quem sabe esqueceras, o inesquecível...



Autora

Emiliê/Liê

Paz e luz...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Poema FELIZ ANO NOVO, PARA MEU FILHO, GABRIEL, autista.