Beba da vida.
Às vezes ela é amarga
Mas beba da vida
O caminho de ida,
É o mesmo da volta...

Nunca existirá o mesmo sonho,
Talvez as palavras se percam...
Talvez as longínquas horas
Nunca tenham passado...

E a vida seja uma ilusão do criador...
Quem divulgou a noticia?
Que não há um principio?
Pobre humanidade sem humanismo...

E há um fim no mundo?
Um arquipélago perdido
Onde não podemos chegar...
Se imaginar nos contenta, Rezemos.

Mas beba da vida
Às vezes ela nos embriaga,
Pois não a entendemos nas entrelinhas
Açoita-nos o frio dela nas ruas...

O sendo não sendo, os sonhos confusos
Por hora, busquemos o simples...
O viver cada minuto, intensamente...
Mas há tanto por fazer, a pressa do existir.

E o levante da humanidade pela sobrevivência...
Morresse pela vida...
Mas a vida queria apenas ser vivida em paz...
E o que sabemos e o que aprendemos
É que ainda estamos muito longe
Da verdadeira vida, apenas subsistimos...

Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz...

Domingo é dia de macarrão
Domingo é dia de parar
Beber do vinho, e rezar a mesa...
Domingo é dia nada fazer...
O descanso dos justos e injustos.

Mas domingo é dia nada na TV,
De horas lentas, de preguiça velha...
Do chinelo nos pés, e sonhos no coração.
Nossa como nós sonhamos mais aos domingos...

Como olhamos para o teto vazio
E buscamos algum sentido.
Olhamos pela janela,
E há pessoas que passam apressadas
Como ter pressa aos domingos?

A missa repetitiva, dos pecados da semana
De uma vida inteira, reduzida, remetida aos domingos.
A! Não quero a rua, nem olhares, nem sermões...
Quero o doce da aquiescência das horas
Deixá-las passarem quietas... Sem alardes.
Afinal, o poeta Vinicius exaltou o sábado,
Eu componho o Domingo!

Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz...

Comentários

  1. os domingos passam lentos quando se espera a presença amada para a segunda...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Atravessar a Ponte!