Eu preciso do silencio
Não quero repetir o mesmo discurso...
Eu preciso respirar outros ares
Não quero morrer de asfixia.

Eu preciso que você siga
Não posso estar o tempo todo aqui.
Não me sinto inteira...
A outra metade, o que me falta?

Nunca existiu de verdade,
Esse saber viver em gotas...
Eu preciso andar sem ser em círculos
Uma reta e uma estrada
As curvas me tonteiam...

Eu preciso sonhar, preciso
A realidade me entristece
Demasiadamente a cada dia...
Eu preciso absorvê-la, mas não consigo!

O lúdico dança em meu intimo...
Alquimia das águas no poço da magia
A! Como eu queria bebê-la.
Retornar a minha vida...

A beira do abismo, balança a esperança
Os passos dados nunca voltam, nunca.
Seguir, para onde? Para que?
Eu preciso não precisar tanto
Ceder ao meu pensar, a mente é fria.

E o meu coração ainda bate quente de bel-prazer
Que todas as vidas se realizem.
Perdoe a ironia, a felicidade é individual
Cada um a busca, mas não vejo ninguém a encontrando...

Escondida ela ri de nós...
Talvez a queremos aonde ela não exista.
A essência que não se toca,
O sorriso que não se compra...

A verdade que não se vende...
O amor que não se impõe
O etéreo e o mágico...
O precisar e conseguir alcançar a paz!

Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Atravessar a Ponte!