Água morna
Terra seca
Tudo passa,
Passam as horas
Passa o tempo
Passa a dor
Passa a felicidade
Passa menina
Chega a mulher...

Água fria
Pele seca
As marcas são irreversiveis
Mas o aprendizado ficou...
Ficou da vida as cicatrizes
Aqueles momentos de extase...

Qual foi mesmo o objetivo?
A utopica busca da perfeição...
Mas contra todo o sonho a genética.
E todo bem e todo mal herdado...

Algo maior nos sentimentos menores.
Pouca logica, muita alquimia...
Pouca exigência, quase a doação
Água quente,

O alivio do cansaço,
O Mormaço, quase verão...
Quase nua, quase pele, quase carne
Mas somos apenas sombras...

Em meio a tanta hipocrisia
Laico de saberes velhos,
Percorremos a vida,
Mas a vida não nos percorre, segue sem nós!

Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz,

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Atravessar a Ponte!