Repara,
Como o dia encharcado
Inunda nossas possibilidades
De uma solidão compartilhada...

Repara,
Como as árvores se limpam
E se banham,..
E os pingos fortes
Fazem da vida uma melodia...
Constante e inquietante...

Não me arrisco,
Nem os pássaros
Nos recolhemos
A nossa insignificancia .

Repara como ninguém se olha...
E a secura do mundo é real...
Apesar do choro das nuvens,
Apesar dessa chuva interminente
A secura do mundo é tão evidente...

Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Atravessar a Ponte!