Uma gota, talvez...
Uma dor interna quase visível...
Mas essa agonia inunda meu ser...
E eu me asfixiando em lágrimas
Que nunca caem...

Meus olhos secos,
Queriam inundar meu rosto
Lavar meus piores sentimentos
Numa enxurrada de sentimentos
Que se perderam em lembranças.

Porque, o rio que deságua em mim...
Não me afoga...
Eu preciso crer que não perdi
O dom de sentir a lágrima
Salgando minha boca...

Molhando a aridez do meu coração...
Essa lágrima interna...
Que ninguém pode enxergar
Vai umedecendo minha alma
Como quem mofa aos poucos...

E as comportas travadas dos meus olhos
Precisam se abrir, todas...
A vida me parece inacabada assim.
Devo soluçar toda dor,
Expelir toda mágoa...
Abrir a porta e me sentir inteira.

Olhar meus olhos inchados
E achá-los lindos, limpos
Prontos para ver melhor
Sem a névoa da descrença...
Preciso Chorar.

Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Poema FELIZ ANO NOVO, PARA MEU FILHO, GABRIEL, autista.