Acordei inquieta,
Pensei; se eu não faço o quero
E se faço o que posso.
Não é ser completa...
Algo de vazio e de profundidade!

A! esse desassossego,
Esse desapego a matéria...
Essa poeira na alma...
Espana-la é encontrar vestígios
De alguém que sonhou...
Mas acordou...

Você transformou minha vida
Numa grande roda gigante
E eu tenho horror de altura.
Eu tenho vertigem do girar
E a vida me enjoa as vezes...

Acordei assim, meio dia, meia noite
Quase sol, quase chuva... nada satisfeita
Você acorda disperso, sorrindo
E derruba minha resistência.
Me pede um beijo,
E eu me acho ridícula...

São as lições da vida
Que se fazem repetidas
Mas não há porque sofrer
Cobrar-te ou querer-te diferente.

Tudo filho é um questão de dia
És lindo mesmo que as vezes
Os olhos desatentos do mundo
Não o veja, és lindo....
Mesmo que os olhos de tua mãe
As vezes se turvem, és lindo...

Autora
Liê Ribeiro
Mãe de um rapaz autista
Paz e luz

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Atravessar a Ponte!