Calcei meu coração...
A junção da razão e da poesia
É briga de gente grande...
Ser quente em meio à neve de viver...

Gela-me a transparência do iceberg...
Cercam-me tantas possibilidades
Vencer a solidão...
Ou entregar-me definitiva em seus braços...

Cortam-me as palavras insensatas...
Arrepiam-me as frases subjacentes
De uma corrente que nunca se quebra.
Calei a fala, ela jamais foi entendida...

Persisti em querer ser ingênua...
Minha nudez de alma
Revela-se em areia de papeis...
Começo sem fim, meio sem principio...

Onde eu posso estar
Se nada me pertence,
E eu não pertenço a mais nada...

Refugio de poeta é a loucura...
A brandura das tardes sem tempestades
Fechei o pensamento...
Deixei os sentimentos morrerem a mingua
Que poder eu tenho de me vencer?

Quis o impróprio,
Um colóquio de anjos
Que ao me verem assim tão distante
Foram embora de mim...
Que poder eu tenho de me vencer?

Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Atravessar a Ponte!