É dia, mas todos os dias são assim,
A água, a terra, o fogo, o ar...
A composição solida que corta
A porção humana que nos cobra,



Deixa na porta o teu recado...
Estarei ausente.
Preciso me recompor,
Do que?


Nem eu sei, mas a vida me chama...
Concepção de horas,
Não me fale das mesmas coisas.
Todas as coisas são poucas...
Quando necessitamos de algo a mais...

Quem tem a poesia, não precisa de analise...
Os demônios e os anjos, poderiam se entender
Cada um cedendo um pouco...
Não repara a bagunça.

A vida me parece confusa,
Todas as coisas nos seus devidos lugares
Parece-me coisa morta,
Paisagem cinza, quase nada...

A poesia não é lógica, nem é alto ajuda...
A poesia algo além da vida,
Um pouco amante da morte...
Quase dia, quase noite, a aurora!

Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Atravessar a Ponte!