Com você eu não sei nadar
Mais preciso mergulhar fundo
Com você eu não sei voar
Mas preciso ter asas para te alcançar...
Com você, nada é raso, tudo é profundo
E eu vivo a beira do abismo...
Se pular eu me arrebento e te levo comigo.


Vou andar,
Talvez alguém me enxergue
Além da pessoa...
Talvez encontre uma flor...
Um sorriso amigo.


Com você preciso aprender a respirar
Lenta e suavemente
Quiçá para não perder tempo.
Quanto tempo?


Com você as horas não se contam...
Que mundo é esse?
Sem regras, sem momento
Sem nenhum vestígio de normalidade.


Mas que incoerência...
A imagem no espelho das águas
Sempre se deformam...
Somos aquilo em que acreditamos
Todos os anjos e demônios se conhecem.


Não há formulas inventadas
Que reponha aquilo que perdemos
Ao decurso de todo caminho,
E os passos dados já passaram.


Mas se acordares
Eu não mais estiver por aqui,
Creia, não fiz tudo que podia
Muitas coisas não dependem
Exclusivamente de nós...


E se numa outra oportunidade
Pudermos conversar
Que seja naquele banco que sonhei...


Que me perdoes por tantas falhas.
E que a conversa seja longa
Mesmo que demore toda eternidade
Afinal somos eternos...


Autora
Liê Ribeiro
Mãe de um rapaz autista.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Atravessar a Ponte!