Dizem ser tolice
Pensar em almas gêmeas
Mas como imaginar-me longe
Numa distancia infinita de você.


Finito somente o sofrimento
A dor de existir sem
A nossa outra metade.
A remota suposição


De um dia não te ver.
Dói-me como ferida aberta.
Sinto saudades,
De um tempo ido,


Das lembranças tantas
De uma vida que já vivi...
Pressenti que te reveria
Em algum lugar, algum dia

E se há o destino
Nós o vestimos por inteiro.
Se há o livre arbítrio
E nenhum momento
Rejeitei a idéia de tê-lo.

É como a flor e o caule
É como a raiz e o tronco
E como a árvore e sua sombra...
A pedra e sua força.

O mar e seus mistérios
A lua e suas fases
Assim me sinto ao teu lado.


E como em mim
A vida não se limita ao momento
Nem a frágil matéria
Acredito na essência da eternidade
Quando reencontramos nossa alma gêmea!


Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Poema FELIZ ANO NOVO, PARA MEU FILHO, GABRIEL, autista.