Vamos andar um pouco,
Velhos passos
Que jamais voltarão
Por onde caminhamos!


Meus pés cansados
Dói, dói relembrar
Todas as guerras travadas
Com o destino.


Olhos de Deus em nós
Vigiam nossa incompreensão.
Uma pedra de gelo
E toda sede acabará.


Triste ilusão,
Onde estão as poesias?
O tempo cedido para amar?
A vida nos engole,
Cospe mais a frente
Migalhas de momentos...


Eu tento lembrar
Cada êxtase vivido
Forço até a exaustão
Fleches rápidos e logo somem...


Não me culpe
Não sou mágica
Não sou lógica
Quase real totalmente incoerente.


Mas se há algo que eu aprendi
É que o tempo nos consome
Que as horas são continuas...
E que o amor é eterno


Enquanto toda realidade
Não faz de nós meros expectadores
Da felicidade alheia...
Mas ninguém é totalmente feliz


Ninguém ainda aprendeu a sublimar
Os sentimentos mais puros
Guardá-los para um mundo melhor...
Mas eu preciso escrever de mim


O que eu acredito,
Se meu sorriso nunca ceder
Para todas as lágrimas.
Eu nunca dei o meu melhor.


Pois a poesia me toma por inteira
A cada palavra
Uma linha para me completar


Alinhavar meus sentimentos
Costurar meus remendos internos
Sei que não posso esconder
O que meus olhos querem dizer


Mas se há alguma forma de me fazer enxergar
Olhe cada linha com outro olhar...
A tanta imperfeição em mim, tanta
Que às vezes nem eu mesmo me suporto


Mas eu posso confessar?
O que eu queria mesmo
Era ter mais momentos mágicos
Somente para mim.


Mas se não posso eu vou me recolher
Ouvir o grito manso da solidão
Em meus ouvidos;
Acorda poeta, você está em extinção.


Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Poema FELIZ ANO NOVO, PARA MEU FILHO, GABRIEL, autista.