Dizem que devemos renovar a cada ano

Podemos renovar o guarda roupa
Toda a matéria.
Mas como renovar nosso intimo?
Quantas vidas se passaram

E parecem velhas ainda nossas atitudes.


Velhos calos,
Velhas dores
Que às vezes parecem somente se renovar.
E a coragem de mudar?


E a paciência, de buscar cada resto de magoa
Que ficou em nós,
Jogá-la fora, outra deverá chegar; ano novo
De vidas cansadas...

Não me engano,
Parece que nunca aprendemos,
Naus sempre a deriva, os nossos corações
Sorria é a fotografia que ilude.

Quanta divida por pagar!
Quantas ruas por caminhar,
Quantos séculos para nos aperfeiçoar
E esperamos sempre para o ano novo,


Mas o pensamento é antigo,
Preso a toda história,
Mal acabada, todos os lugares que estive
Nenhum conhecido, vazio, preenchido.


Mas dentro de mim mora um anjo
Que me diz, vá, não sofra tanto,
Mas sou e serei sempre essa pessoa
Que precisa de um olhar verdadeiro
Um farol e a me conduzir...


Mas mesmo que a tristeza
Brigue o tempo todo com a alegria
Valeu todas as paisagens vistas
E o poder sonhar tombadilhos,


A entrada é a saída,
E todo começo é o fim de algo
Então que seja dourado,
Tudo e tanto o pouco que quero a Paz!



Autora
Liê
Feliz ano novo!
Paz e luz.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Atravessar a Ponte!