Laços, e correntes,
Momentos,
Aprendemos a nos procurar,
Mesmo no vazio da casa.


Quadros e sofás,
E a solidão fica mais latente
Aquele instante que não esperamos,
Mas que virá com certeza.


Na correnteza da vida,
Janelas e portas,
Devo caminhar para não sofrer tanto...
Devo inspirar-me na complacência do tempo


Que inalteradamente passa,
Dias e anos que formam os séculos,
Devo respirar a liberdade.
Quintais e soleiras


Nem a chuva que se anuncia chega
Foge das minhas lágrimas,
Doce e salgado não se misturam.


Já é tarde,
Vou catando as sobras de ontem
Vou organizando roubas
Que sentido há? Se não estás...


Bom eu preparo o chá,
Deixo esfriar,
Procuro um pedaço de bolo,
Queria apagar por um instante meu pensamento.


Queria conversar com alguém
Mas vou dormir, a noite é minha amiga
Aquieta-se, para que eu descanse.
Logo você voltará, e a nossa rotina
Renovar-se-á, será?


Mas todo pássaro precisa voejar
Deixar seu ninho, outros céus apreciar
Laços  de amor nunca se rompem
Correntes quebradas libertam as pessoas!


Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz

Comentários

  1. Correntes devem ser quebradas, os laços não.
    Mas, que fica faltando um pedaço no nosso coração quando o ser amado se distancia, isso fica. Mesmo que seja para o bem dele, dói.

    ResponderExcluir
  2. Estas certo, laços de amor jamais se rompem,
    correntes devemos quebra-las para viver a verdadeira liberdade.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Atravessar a Ponte!