Minha alma de universo
Meus versos
Meu avesso...
Sou a sombra
Quem dera a luz...


Minha vida
Minhas lidas
Meu direito
Sou deserto
Quem dera o Oasis.


Meu destino
Meu tino
Quanta incoerência
Sou a gota
Quem dera o mar.


Em mim
Tudo pulsa
Quase explode
Quem dera à calmaria.


As palavras se embaralham
O caminho que persigo
Peixe pescado,
Morre tentando sobreviver.


Não há filosofia
Que nos salve
Dessa floresta de pedras
Quem dera pudesse a poesia!


Em mim tudo são imagens
Frases e estrofes
Que se casam e que brigam
Quem tiver sentimentos
Que a poesia possa resgatá-los!


A mim cabe escrever,
Talvez para não esmorecer
Pois enlouquecer é se alforriar
O mundo real é deverás singular.
A poesia sempre me liberta.


Autora
Liê Ribeiro
Luz e paz

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Atravessar a Ponte!