Espelhando a alma!

"Eu escrevo à hora que quero
A inspiração é uma metafora.
Mas será que realmente

Escrevo o que sinto...
Maldita dúvida que sempre nos persegue
Se há um motivo para a escrita
Não há para esse silencio aterrorizador...
E no palco da vida,
Todos representam bem o mal
Suas histórias...
Eis aqui o espelho da alma!"

******


Estou longe,
Não quero
Estar perto
Numa distancia oceânica
Coloco-me.


A fala é cansada
O olhar é periférico...
A batida descompassada
É de um coração.
Velho de guerra...


Estou quase viva
E uma palavra me salvaria
Dessa inércia de existir
Quero dar um tempo,
Quero silenciar minha mente.

Não ser repetitiva
Mas que barca furada
Esse quase minuto de sanidade.
E a ligeira sensação de felicidade.
Que vem e vai como chuva de verão...

Estou quase presente nesse momento.


Num raciocínio ilógico... Pergunto-me:
Quem plantou a fé, colherá a eternidade?
Quem garante o prometido...
Mas como eu preciso cuidar do menino
E o menino nega-se a crescer.


Finjo que acredito...
Finjo que não sofro tanto.
Finjo que aceito o veredicto do destino
Calço a sandálias da hipocrisia
E sigo minha vida sempre a deriva.
E quem me encontrar, não me inquira.


Quem quiser respeitar minha alma
Não procure, entender a minha mente.
Afinal, não sou de ferro, nem pedra,
Quem sabe de barro, de pele, de carne!
Uma matéria inerte!


Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Atravessar a Ponte!