Vou ser breve,
Quando dou uma gargalhada
Não finjo, nem forço uma situação.
É a minha criança interior...
Que se debate para não envelhecer...


Vou ser breve,
Como a brisa na cortina,
Não escreverei sobre temas
A poesia não é filosofia,
Nem procura explicar o pensamento...


A poesia é reveladora de sentimentos,
Os mais incoerentes e desconexos.
Uma vontade de nunca esmorecer
Nunca deixar o tempo corroer a esperança.


Vou ser breve,
A poesia é como o girassol
Que persegue a luz do sol para existir...
E a inexpressão dos que não sabem.


A imutável coragem dos poetas
Na breve existência de um Deus,
Aonde os rostos vão e vem
Na vidraça do meu carro.


Ninguém se conhece,
Nem o poeta se identifica
Com tanta falta de inspiração.
Mas se a vida é breve
A alma do poeta é infinita.
Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Poema FELIZ ANO NOVO, PARA MEU FILHO, GABRIEL, autista.