Eu não tive tempo para você poesia.
Eu não tive tempo para você maresia...
Você me pede um carinho
Mas eu não tive tempo,

Passei correndo pela vida,
Passei apressada pelas horas...
Que tanto eu busco?


Eu não tive tempo para pensar...
Eu não tive tempo para agir.
Momentos são ligeiros,
Sensações são instantâneas


Como um relâmpago no céu.
Pois eu nunca tive tempo,
De olhar nos olhos,
De buscar o efêmero,


De vencer o súbito sentimento de perda.
Nascemos assim,
Com a nítida percepção de derrota
Com a leve impressão da felicidade


E vivemos eternamente a buscá-la.
O mar e o marujo
O avião e o aviador
O ganhador e o perdedor


Nunca tive tempo para coisas profundas.
Para dissertações filosóficas
Pois todas as respostas
Estão nas coisas simples


E nenhuma retórica afugentara
Um sonhador de sonhar.
Mas eu nunca tive tempo para sonhar.
A vida é pratica


E na praticidade do dia a dia
Falta-nos entender do etéreo.
Será que existe algum ser completo?
E se nada se completa somente numa vida?


Porque lutamos tanto
Para vencer a nossa descrença.
Todos os big ou cada bang,
Se pensarmos ligeiramente


Entenderemos que até nele
Uma inteligência havia...
Mas como não tive tempo
Para estudos minuciosos


Deixo para ciência debater o tema.
E vou seguindo minha intuição
Mesmo sem o tal tempo exato.
Vou acompanhar meu coração.


Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz...


---------


A! Meu filho
Quanto tempo
Esperei para que tu me pedisses
Um abraço.

E hoje seus braços estendidos
A me ver passar
Dá-me a sensação de uma alegria
Indescritível.


Seu coração acelerado,
Seus olhos fechados
Seu sorriso maroto.

Traz-me uma felicidade tênue.
A! Como um simples carinho
Faz-nos renascer da solidão.


Vivemos aqui em nossa toca
Vivemos um para outro,
E a lógica disso?
É a primeira vez de tudo


Nunca cedo, nunca tarde.
E não há tempo que nos impeça.
Mal quisera a expiação
Vencer sua forma diferente de ser.


Anos e anos e o medo
De nunca nos aproximarmos.
Mas eu sempre na espreita
Por olhar diferenciado, menos invasivo.


E veja que espelho cristalino.
O encontro do nosso olhar.
Saiba que darei todos os abraços
Que me pedires...


Lavarei todas as lágrimas cair.
Enxugarei todo suor de tantas lutas.
E sempre acreditarei no amor
Como o antídoto para toda dor.


autora:
Liê Ribeiro

Mãe de um rapaz autista.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Atravessar a Ponte!