Fecha a porta
Nosso mundo desencantado.
Precisa ser preservado
Pobre menino
Desaprendeu a chorar.

E gargalha como se lágrima fosse
Seus olhos perdidos e secos
Entre a sombra e a realidade
Procuras algum vestígio do existir.

Pobre menino
A rua lhe parece estrada
E corres como se quisesses
Alcançar-se em algum lugar

Não creio menino
Que secasse ás águas
De sua alma dolente
Mas sentir lhe parece inerente

Pobre menino que amou.
E cumpriste teu desígnio.
E o dialogo de um só
Vem nos tomar

Queres que eu repita a mesma frase
Como se ela martelasse insistentemente
Em seu perturbado pensamento
Como formar frases que justifique seu pensar?

Pobre menino
Vou passar a vida
Tentando decifrar seu sentir
Poucas coisas deveriam nos fazer feliz

Mas sempre queremos algo
Que ainda não sabemos o que é...
O muito é pouco para todos.
E todo horizonte fica distante.


Pobre menino
Que mundo posso lhe oferecer?
Além desse em que vivemos
Talvez seja mais seguro
Refugiar-me no teu... Por favor
Abra a porta.




Autora
Liê Ribeiro
Mãe de um rapaz autista.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Atravessar a Ponte!