Acuda-me, estou perdida.
Um tanto arredia,
Um tanto sem rumo...
A deriva no mar da vida.
Acuda-me, estou cansada.
Preciso de um lugar


Aonde eu me centre
Talvez levite.
Talvez ouça
A minha pessoa
Sujeito, indefinido
No predicado do presente


Que calada
Quase definha
Acuda-me
A Precisão é de ontem.
Não há mais tempo
Nas voltas que a vida dá...


Acordo,
E as mesmas caras
As mesmas vozes
Ao meu redor,
Prefiro voltar a dormir.


Procuro sua silhueta
A sombra é fria
Prefiro o lado do avesso
Lá escondemos
Todas as verdades.



Acuda-me,
Sou ainda criança
Na arte de viver,
Acredito em anjos
Arcanjos
E sempre beijo
Meus santinhos...


Do que eu preciso?
Do silencio das nuvens
Do brilhar das estrelas
Da preguiça da lua,
Na verdade preciso
Voltar a sonhar...


Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Atravessar a Ponte!