Já passou a tempestade
Nem quero que entendam
Meu espírito machucado,
É tarde demais para quem ama.

Mas jamais é tarde
Para um amor verdadeiro.
A incoerência dessas palavras
Também me fazem sofrer.

Pois a melodia que toca
É de um piano na noite fria,
E poucas pessoas entenderão
O que eu sinto...

Sigo meu caminho,
E as noites e os dias são iguais.
Para quem vive buscando
A paz de um momento.

Para esse coração louco.
Que insiste em bater em descompasso.
E a doer por horas ainda não vividas.
Mas esqueça,

Palavras são somente palavras.
E a dor sempre nos subjuga
Mas há uma força a nos impulsionar.
Eu preciso dessa tarde fria de outono.

Preciso que a vida me deixe vivê-la.
Mesmo nas horas mais duras,
Eu preciso da esperança vestida de estrela
A me guiar para fora de mim mesma.

E despir a pele de pessoa indestrutível
E chorar, mesmo que a tempestade tenha passado.
Preciso reaprender sentir todas as sensações.


Então apague a luz da noite,
E venha me fazer sonhar
Mesmo que na manhã que nascerá
Somente a luz do sol venha me acordar.


Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz...

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Atravessar a Ponte!