Mãe não tem dia, são todas as horas!



Mãe,

Porque tens
Que ser a flor?
Quando na verdade
Tu és a raiz...


Porque ser completa?
Sem não tens a receita pronta.
De como sê-la;
E se o fato concreto
É que aprendemos da marra.
O oficio de ser mãe.


E quem escreveu que  seria fácil!
Talvez um sonhador contumaz!
Para justificar nossas limitações
De mulher, de mãe.
Afinal mãe é humana.


Não és caçadora, mas a caça
Não és escolhedora de teu destino
Tu não és uma palavra somente
A terra que germina toda semente.


Mente quem a coloca num pedestal
Queres a realidade de um amor
Que sendo incondicional
Mora dentro do seu coração.


Mesmo que ninguém a ame.
Não devem desenhá-la
Como a parideira de vidas.
És mais, quando choras
Por um filho que jamais chegou.


Por outro que mesmo presente
Jamais fez questão de enxergar-te.
Quantas vezes quisemos desistir
Largar tudo e seguir outra estrada.
Porque não?


Mas quantas noites de puro amor.
Vigiamos nossas crias.
Lambemos as feridas deles?
Choramos as dores deles?
Porque não?

Mãe felina, a fera selvagem
Quando desejamos ser na verdade a mansuetude.
De uma noite calma.
Porque temos que ser exemplo?
De algo que não distinguimos.

A personificação da perfeição
Para que?
Para quem?
Qual o sentido?
Se nós movemos montanhas
Para proteger a quem amamos

Já não basta, amar?


Mãe!
Porque temos
Que ser a manjedoura
De um mundo agonizante?


Não há palavras
Que defina exatamente
O que somos do que queríamos ser.
Numa manhã nos tornamos mulher.
Na outra concebemos.

Entre a Imagem e a semelhança, quantas distorções.
Então gritemos que nos respeitem.
Então mostremos que não perdemos a identidade.
Quem se importa?


Mas toda mãe...
Conserva na alma,
A maternidade,
Dizem os sábios de plantão.


Que maldade
Querer-te sem falhas...
Não ver-te pessoa,
Não amar-te sem cobranças...
Não analisar-te sem culpas.


E numa simples palavra
Preservar-te o direito
De pecar, de sofrer,
De amar, de falhar,
Quantas vezes forem necessárias.


Tal é a lei da causa e do efeito
Somos mãe.
Pela metade mulher.
Pela inteira complexidade do amor.


E mesmo sem amar, somos mãe
E mesmo sem ser amadas, concebemos.
Mesmo com a extinção de toda humanidade
Seremos para sempre Mães!


Autora
Liê Ribeiro
Mãe de um rapaz autista.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Poema FELIZ ANO NOVO, PARA MEU FILHO, GABRIEL, autista.