Não entendo
Por que
Essa necessidade
De musica antiga
De vida antiga
De roupa antiga
De sonhos antigos...


Se todas as modernidades
Impulsiona-nos a viver
Vidas cibernéticas
Fome institucionalizada
Dor inventada
Represada na tela de um computador.


Não podes ver minhas lágrimas
Nem sentir o odor da minha pele.
Não podes abraçar minha solidão,
Nem inventar a gratidão
Em códigos binários.


Para que tantas comunidades?
Se nós precisamos somente
De uma pessoa...
Aquela que nos completa.
Que nem seja o máximo
Nem mesmo o mínimo.
Seja somente alguém ao nosso lado.
Mesmo sem nada dizer.

Mas que esteja perto o suficiente
Que possamos estender a mão e tocar.
Que possamos nos olhar e sorrir.
Ouvir a mesma musica sem nos entediar.


Ler um poema de Pessoa
E viajar pelos mistérios do amor
Fechar as janelas e o medo
Ouvir o roncar do mar nos rochedos.
Nascendo da nossa imaginação.


Deitar o corpo no outro corpo.
Para que o mundo se acalme
Para alma sobejar de vida
E acreditar que ainda há tempo
Da convivência do ser com outro ser!
Sobrevivência!


Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Poema FELIZ ANO NOVO, PARA MEU FILHO, GABRIEL, autista.