Preciso arrancar de mim
Toda ilusão
Preciso saltar da escuridão
Esperar-te...
Romper seu casulo
Quem sabe uma borboleta
Florescerá, quem sabe?


Nesse sábado,
Por que é sábado
Você esqueceu
De mudar seu calendário,


Pensei, ele não gosta desse dia
Ele prefere
Os dias que ele acorda cedo
E anda pela neblina


Observando as garças seguirem
Pelo céu encoberto.
O barulho que elas fazem o encanta.
E seu sorriso é notório.


Vamos cantando
Frio de quebrar os ossos
E suas mãos quentes
Vão juntas ao seu peito.


Penso!
Como você anseia o mundo?
Qual sensação sente
Ao ver o dia nascer?
Os pássaros voarem.

E o caminho gasto
Pelos passos alheios
Fazem-te feliz...
Tu caminhas
Pela vida das horas vividas.
Sem a menor preocupação
Com o olhar de outrem...


Seguindo a ordem de o seu pensar
Cumprindo o ritmo de sua alma.
E eu preciso seguir
Guardar para mim
O medo do tempo passado

Do tempo vivido
Do futuro no fim da rua!
Preciso sorrir e seguir
Se possível sempre ao seu lado.


Autora
Liê Ribeiro
Mãe de um rapaz autista.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Atravessar a Ponte!