Sinto tanto tua falta
Que às vezes
Acho que te esquecerei
Sinto tanto a tua ausência

Que às vezes
Acho que não lembrarei
Dos detalhes,
Nem das juras trocadas.

Essa é uma poesia inóspita
Essa é uma poesia de confissão
Confesso!
Que o tempo nos encobriu

De poeiras antigas.
De uma estrada longa
De um porvir distante
Não tenho direito de suplicar

Os poetas românticos
Já o fizeram por mim...
Derramando estrofes de amor
Perdidos entre linhas e rimas

De almas atormentadas
De poetas cansados
De tanto sentir, pobre coração.
Confesso que ouço.

A mesma musica
Lembrando da primeira dança
Do primeiro beijo...
Mas já se vão tantas estações!

Que encolhida em minha solidão
Penso, relembro,luto para não esquecer
Que o amor para não morrer
Precisa de uma boa dose de coragem!


Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Atravessar a Ponte!