Um Risco

Nada.
O Sonho
Nada.
A Virada
Nada.
Nada nos cabe
Questionar.
Nada nos serve
Vestir
Essa pele seca
Esse olhar triste
Frases soltas
Nada.
Vida morta
Nada.
Nada para contar
Nada para vender
Nada para emprestar
Traga-me um sorriso
Quem sabe
Eu o cole em meu rosto.
Nada para comemorar
Nossa alegria é breve
Nossa dor é nossa
E a paz é tênue.
Nada para cobrar
Nada para oferecer
Quantas noites insones
Nada na literatura
Que dure nessa brevidade
Da existência frágil,
Vidro quebra
Fragmenta nossa face
Qual dela somos nós?
Nada.
Nada que nos acalente

Quando a dor
Insiste em habitar nosso ser.
Mas se custa caro viver.
Nada pagamos para crer
Uma hora qualquer
Espero nada a fazer, nada!


Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Poema FELIZ ANO NOVO, PARA MEU FILHO, GABRIEL, autista.