E se eu me negasse ao obvio?
O que me restaria da vida:?
E se eu não fosse eu?
Em quem eu me veria?

Talvez na águia,
Talvez no cordeiro
Quem sabe na cotovia
Ou melhor, ainda
No esperto coelho...

E se eu me negasse
A compactuar com a hipocrisia
O que me restaria do dia?
Uma paz verdadeira
Uma luz sem mancha.
Uma sombra de jequitibá.


E se eu não fosse matéria?
O que me sobraria do destino?
Um pensamento
Com certeza, poético
A brisa do vento...
O acordar dos desatentos...

E se eu me negasse a ouvir
Tantas falácias vazias
O que eu ouviria?
O inicio do som, a melodia
O silencio da noite...
A minha consciência .

E se eu me negasse a morrer
Como eu viveria?
Sementes e folhas
Num campo de rosas
Eu germinaria...
Mas como a vida é o negar da morte
O que me resta nessa lida
É o consolo da poesia!




Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Atravessar a Ponte!