As veses eu navego sem rumo
Queria ter aonde aportar
Um canto tranqüilo
Para descansar meu corpo

Eu me debato..
Nessa cruel sociedade
Eu me retraio


A quem confiar meu pensamento?
A quem entregar meus sentimentos?
Demoramos tanto
A enxergar os que estão ao nosso lado.


Sim, sou eu mesmo.
Nesse espelho trincado
Nessa água turva
Tudo que fui, e tudo que sou.
Carrego nessas linhas...

Meus bens são minhas memórias.
Meu tesouro são as letras
Que formam minha poesia.


Ficções e romances
Transportam-me para além da realidade
Leio poemas, leio-me sem me entender.
O que está em mim é maior do que eu!


Confio que um dia tudo em mim se findara
Mas não terá sido em vão cada passo
Todo caminho...
E se somente o vazio me esperar


Quem sabe o preencherei com meus poemas
Quem sabe alguém realmente lerá...
Não com os olhos da razão
Mas com o coração!


Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz...
--------
Sem as horas
O que são os momentos?
Sem os minutos
O que são os séculos?


Sem a mentira
O que é a verdade?
Reluto
A aceitar a singularidade da vida.


Tudo no seu devido lugar.
Sem a falsidade
Como entender a sinceridade
É tão cruel o poder da maldade.


Como é mágico
A força da amizade
Aquela que o tempo não destrói.
Um castelo de areia


Nossas vidas em ruína
Mas o avesso da tristeza
A felicidade
Que reside nas pequenas descobertas.

Pois o que seria do ódio
Sem a beleza do amor
Que por mais que não acreditemos
Sempre vencerá nossas resistências.


Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz

Comentários

  1. Tantas vezes de maneira insular, me isolei de todos. A incompreensão tanto do modo de ser das pessoas, como da falta de entendimento do meu próprio modo, me fez viver numa ilha.
    Minha ilha se tornou Innisvitrin, com toda a sua magia para uma pessoa só.
    Até quando surgiu um bardo, nascido do Grande Carvalho, que fez as brumas dissiparem e trouxe esperança ao meu mundo.
    Da aliança nascida, jura trocada com sangue, fundiram-se duas vidas, duas almas em uma. Eternizamos.

    ResponderExcluir
  2. Caro anônimo, eternizar a esperança, precisamos.
    Abrir a neblina que muitas vezes está em nossos próprios olhos...
    Grata
    Liê

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Poema FELIZ ANO NOVO, PARA MEU FILHO, GABRIEL, autista.