Vou ligeira
Em busca
Daquela borboleta
Preciso
De suas cores
Preciso de seus amores
Flores e sementes
Preciso sair do casulo
Vou ligeira
A vida corre a frente
Muito a frente de mim...
Passos e passado
Não olho para trás
Mas como esquecer histórias
Que por nós foram vividas
E todo caminho
Encharcado percorrido
Lágrimas e sorrisos
Mas eu vou ligeira
O vento sopra
Em meus ouvidos
Vá, não perca mais tempo,
O trem chegou à estação
Rostos e sonhos
Correm e esperam por alguém
Partem e nunca mais voltam
A plataforma há de ficar vazia
Assim como as vidas
Que por ela percorrem.
Assim como eu que corri, corri.
E perdi o trem da vida.


Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Atravessar a Ponte!