Eu estava tão longe de mim
Num ano velho
De um ano novo
Sim, invasores
Às vezes tomam meu mundo
Prefiro estar só comigo
Na aquiescência de minha existência.


Sou tão particular em minha solidão.
Uma musica um chá, um copo de água
E aquele velho livro na estante
A cama devidamente arrumada.
O pó espanado.


A vida num espelho
Desconhecido ser
Que há anos conhecemos
E nunca nos identificamos.


E a poesia triste
Adormecida, espera
O primeiro momento
De tomar-me aqui em meu habitat.


Não preciso de aprovações
Não preciso de permissões
Eu combato até as entranhas
Para não me deixar vencer.


Vá embora invasor
Eu me basto nessa tarde só minha.
Eu a minha poesia
Eu e meu amor, que guardo


De todos os olhares vazios de compreensão.
Invisível aos olhos reais...
Cegos de ver somente feiúra
Onde só beleza há...


Então passado o burburinho
Das vozes a gritar,
Estou aqui, feliz por apressar-me
A voltar a minha rotina
Que está recheada de horas
De sonhos, paz
Poesia e literatura...




Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz
Feliz Ano novo

Comentários

  1. Que o chapéu de flores e cores continue enchendo sua cabeça de poesia, magia e idéias.
    Feliz 2011!!!

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, faz tantos séculos que me rendo a ela, que mesmo que quisesse não me privaria de aceitá-la habitando minha mente e meu coração.
    Feliz 2011.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Atravessar a Ponte!