Eu não sou perfeita!


Aqueles que me julgam
Temo pela intolerância
Temo pelas circunstâncias
Sombrias que o mundo passa.

A esperança é traiçoeira
Sempre há os porquês?
Podemos dormir uma pessoa
E acordar sendo outra?

Sentimentos!
Podemos ensiná-los
A quem os perdeu?
Ou sentiu dificuldade
Em expressa-los na sua plenitude.

Seus neurônios estragados
Consertados
Entenderiam o que eu sinto?
Carregar por anos
Uma pseudo culpa pelo seu autismo

E depois carregar
A decisão de consertá-lo
Para que possas recomeçar
De qual ponto mesmo?

Seria melhor que voltasse
Para meu útero
E lá reconstruíssemos
Nosso começo...

Deveria eu vibrar não é?
O que é cinco, dez anos
Para quem conviveu
Vinte dois anos
Com seu autismo...

Uma montanha russa
Que muitas vezes
Deixou-me enlouquecida
E outras me fez chorar de alegria...

Mas como um pingo
Ainda não é uma chuva
E eu já me acostumei
Com sua pessoa autista...

E aprendi a amá-la profundamente.
Aguardarei...
Não sei se é pela outra pessoa.
Pois sempre,
Vivemos assim nesse
Nosso mundo particular...
E visitamos o outro sem muita dor.

Às vezes sou eu que me acho
Egoísta...
Em querer guardar-te da dura realidade
Que muitas vezes se veste de preconceito
Vivemos muitas vezes implorando
Que nos vejam além da matéria


Que consigam amar-nos em nossa diferença
Você acha que para o poeta é diferente!
Ou ele é louco, bêbado, drogado...
Ou é aquele ser esquisito que mal se encaixa


No cotidiano dessa sociedade egoísta.
Rezemos,
Para que não nos imponham
Uma naturalidade coletiva.

Dói-me a possibilidade
De que me esqueças
E talvez eu possa um dia perder-te...
Mas que incoerência
Nada nos pertence,
Nem a carne, nem o cerne da vida.


Por isso caro rapaz
Vamos seguindo nossa rotina
Vivenciando esse sentimento que demoramos
Um bocado para conseguir...

Pois o que já passamos
E o que já vencemos
Muro e pedras
Espinhos e rosas
Estará gravado em nossa história...


E ninguém
Poderá tirar de nós.
A esperança da cura
De uma doença
Não significa a cura de um ser.


Porque o que eu sou
E o que você é!
É muito mais profundo
Que um cérebro defeituoso...
E se eu tiver que decidir por você
Que o meu amor seja o mensageiro...


Autora
Liê Ribeiro
Mãe do Gabriel/TEA
Paz e luz

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Atravessar a Ponte!