Eu tentei me distanciar.
Num lugar seguro
Entre a realidade e o irreal te amar
Mas um momento


Um segundo
Num espaço de tempo
Entre o ontem e hoje ao seu lado.
Fez  eu me reaproximar...


Não precisamos de muito
Mais o pouco é insuficiente
A sede é de muitas idas e vindas
Algumas onde não pude te encontrar.


É o mistério?
Talvez,
o destino nos pregando sua peça.
Não tens nome,
Mas têm tantos...
São em tantos rostos passados
Em vários lugares diferentes.


Castelos,
Cabanas,
Carroças
Estrada,
Casa com varanda
Pontes de arco,
Vidas, que somente
Queriam se amar.


Por isso nenhuma maldição
Pôde afastar-nos
Bendito poder do amor
Que atravessa os séculos
Que vence as guerras


E o silêncio no papel
Era de propósito
Ele queria aguardar
Por essa sensação fugaz


Então aqui estou
Declarando-me a ti
Após a chuva de estrelas
Após a mansuetude do amor.
Bendigo aos céus
Pelo dom de poetizar
E a ti dedicar esse poema!




Autora
Liê Ribeiro
Autora
Paz e luz.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Atravessar a Ponte!