Meu poema de aniversário!




Aos 48 anos...
Eu!
Deveria esvaziar minha mente
De tantas conjecturas


O amanhã abençoa o dia
A tarde bendiz a noite.
E a madrugada inexiste
Valente o notívago
A buscar algum sentido
Para não dormir...


Como a mente amadurece?
Como uma máquina pára?
E o corpo responde
A tantos estímulos...
Não temo a velhice,
Palavra antiga e assustadora.


Temo os rostos que se apagam
As palavras que fogem...
A matéria que se decompõe.
Mas o espírito precisa manter-se jovem.
Mas todos os pesos do tempo
Caem como tempestade
Em minhas costas...


Reparo mais nos detalhes hoje,
Observo cores que antes eram opacas.
Escolho as horas,
Venço a cada dia os meus dias...


Farei falta?
A quem, talvez ao meu filho...
Talvez a misteriosa personagem
Que se esconde de mim...


Anônimo, destoante
Da minha realidade
Meu personagem continua
Nos capítulos que ainda não escrevi.


Sonhos celtas,
Elfos, fadas, duendes,
Todos meus amigos! Acreditem.
Florestas, lagos,
Noites de lua vermelha.


Eu vivi tudo isso.
Eu compus sonhos e pesadelos,
Calcei sandálias gastas,
Vesti mantos...


Chorei sua ausência por séculos.
Canoas e brumas
Tudo é tão apócrifo hoje
Que me nego a aceita-lo.


Por isso meus olhos voltados para ontem
E o amanhã se apressa a me levar...
Correntezas adiante em um mar bravio da idade.
E eu me vou, me deixo levar.


Pacificamente como um barco a deriva.
A idade maltrata que maldade...
Até ontem eu era uma menina.
Foi só adormecer e acordar uma anciã.
Brincadeira...


Eu ainda corro da vida,
Ainda sonho com um grande amor,
Ainda espero pelo anônimo escondido.
Ainda estou por aqui...


Se puder me pegue para dançar,
Se puder me faça menina de novo
Se não, deixa...
Essa moça adulta seguirá.


E jamais perdera
A ilusão da escrita...
A lhe fazer eterna, em doces corações.
Mesmo que a idade atinja a matéria.
Quantos caminhos traçados!
Quantos obstáculos vencidos...


A idade chega,
E nós jamais saímos de cena,
Se plantarmos amor.
Uma lembrança tênue ficará ao vento.
E eu volto a sonhar eis meu estado de ser.
Eis a poetisa teimosa a sorrir...
Mesmo entre lágrimas!


Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz...



Comentários

  1. Parabéns pelo aniversário e pelo poema.
    É admirável a busca de um grande amor.
    É admirável crer na magia.
    É admirável vencer um a um todos os fantasmas dos dias.

    ResponderExcluir
  2. Hahahah, caro anônimo você é o meu grande amor, acho que só não sabe...
    Obrigada.... Nimue....

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pelo aniversário!!!
    E também pela poesia!!!
    "A idade chega,
    E nós jamais saímos de cena,
    Se plantarmos amor" Reponho aqui este pedacinho do seu poema que resume bem toda a amplitude do ser...
    Bjinhos e que tenha um bom dia

    ResponderExcluir
  4. Oi Mina, Obrigada, beijos,
    acordei hoje mais velha e feliz.
    Liê

    ResponderExcluir
  5. Ai, Liê... Me vi nas tuas palavras: " Até ontem eu era uma menina"... teimo em ser essa menina.
    Parabéns pelos anos, pelas letras e pela vida! Um brinde à Liê e ao amor!
    Deus te abençõe!

    ResponderExcluir
  6. Oi Liê.
    Guardou um pedaço de bolo para nós?
    Feliz Aniversário.
    Abençoada sejas, sempre.
    Carinho.
    Luz e Paz

    ResponderExcluir
  7. A! com certeza, guardarei uma fatia enorme para ti, tomará que se conserve até abril *risos
    Brincadeira, obrigada querido amigo,
    todo meu carinho!
    paz e luz
    Liê

    ResponderExcluir
  8. Querida Lilia, com certeza os seus olhos mostram nitidamente a menina que habita em ti ... parabéns..
    grata pelo carinho
    beijos
    Liê

    ResponderExcluir
  9. Adorei:
    Se puder me pegue para dançar,
    Se puder me faça menina de novo
    Se não, deixa...
    Essa moça adulta seguirá.

    Aceita os parabéns de uma moça adulta que segue doida que lhe façam menina, sempre!
    Parabéns!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Poema FELIZ ANO NOVO, PARA MEU FILHO, GABRIEL, autista.