A verdade Liberta!




O que não é verdadeiro
Não existe
É uma ilusão.
Vivemos de devaneios
Que muitas vezes
Nem serão realizados.

Revelar um fato
É torná-lo verdadeiro
Se for falso não é fato.
Mera utopia.

Ouço minhas vozes internas
E revelar-me seria
Viver sem medos.
O rosto que está no espelho
Não é a face que vejo nas águas.
Distorções de sentimentos vividos.


Devo parar o que estou fazendo.
E reparar o que está ao meu redor.
Uma mistura de calor e frio.
Feio e bonito.


A verdade por mais dolorida que seja
É melhor que milhões de mentiras
Que nos levam a acreditar
Em contos da carochinha.


O que restará a frente
São fragmentos de dores
Que nos consumirão
Pouco a pouco.


Não guardar coisas
Significa não acumular tralhas
Aquelas que são internas
E que tentamos substituir.


Creio nos barcos no oceano
Visto minha melhor roupa.
Vou andar pela areia da minha imaginação.
Sonhei com o mar...


Sonhei em ter uma vida
Menos atribulada
Um canto meu para repousar meus sonhos
Um carinho puro...

E mais nada a me fazer chorar.


Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Atravessar a Ponte!