A Poesia resistirá ao tempo ?




Será que precisamos
Ser o tempo
Para nos sentirmos modernos?
A modernidade
Será que não corroeu todo mistério?

A poesia poderia ser virtual?
Sem a dor do lápis trêmulo
Sem a cor da tinta fresca
Sem a alma nela contida.

Será que terei que me virar
Do avesso,
Para enxergar o meu direito?
A revolta das letras
Se tudo hoje são caracteres.

E o mendigo culto
Recita Camões
Perdido na frieza das ruas
Vencido pela vida dura.
Um poema épico
 De um ser
Esquecido nas valas?

Dores de cor cinza me tomam.
Será ausência de luz?
No silêncio das falas
Prefiro ouvir por hora
A récita desse mago.

Do que perder minha hora
Preciosa de horas e momentos.
A conversa fiada... Sem propósito
Sem a menor consistência, me cansa.
O que entendo da vida é tão pouco.

O que decifro da escrita
São palavras que sempre ouvi
Escrevi, senti no meu universo!
Se faço verso é para existir!


Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz.










Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Atravessar a Ponte!