Eu me recolho!




Eu me recolho...
Não é o frio
Que faz de mim
Um casulo...
São os fatos
São os atos
São as falas

Faço como meu filho
Apago o todo a minha volta
Atenho-me nos detalhes
Algo raro
Algo incompleto.

Não sou intelectual
Faço versos
Ouço musica
Adormeço na sala

Meu recolhimento
É justamente
Uma forma de repensar
De sentir
De amar
O que amo, a quem amo.

A ninguém interessa
Está nas entrelinhas
Dos meus poemas
Está Iris dos meus olhos
No cofre do meu coração.

O que me gela
Não são gotas
Amanhecidas do orvalho
É a solidão coletiva
Dos transeuntes...

Não amo inverno
Sei o quanto ele outrora
Impediu-me de chegar
Ao me derradeiro destino

Prefiro sonhar com o sol
Com o mar cantando nos rochedos
Nós e tudo que sonhamos
Sendo abençoado pelo universo
Por isso mesmo não sabendo
Creia ainda faço versos...


Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Atravessar a Ponte!