O Poema é longo, a vida é curta!



Eu fui caçar palavras
Para formar meus pensamentos.
Cansada de pensar
Resolvi sentir
Cansada de sentir
Resolvi esquecer.

A luz do sol
Na fresta de minha alma
É fria a vida da humanidade.


A cruz do destino.
Carregue a tua,
Carregarei a minha.
E se eu perder as forças
Cubra com nuvens
Meu ser esquecido.

Na verdade,
Somos retalhos
Pequenos de sentimentos.


O silencio forjado
O olhar distante
O dialogo inverso
Pois nós não conversamos mais.

O poema esquecido
Dentro do nosso interior
Tantas falas, tantas subjetividades.
A cura da humanidade
Nas mãos de poucos cientistas.


Cuidado,
Tu és o que come!
Cuidado
Tu és o que fala!
Cuidado
O mundo se deteriora.


Tudo faz mal...
Tudo aniquila sua chance
De ser gente,
Entre aspas; normal...
Não vejo solução?


Mas eu sou poeticamente teimosa
Não desejava mais escrever por hora.
Esquecer a poesia na gaveta
Do meu pensar e lá enterra-la.


Quem sentiria falta?
Não se tem tempo para sentir.
Nem ao menos enxergar o outro em si...
O que é feio?
O que é bonito?
Compra-se com papel.


A vida árida da realidade
Vai corroendo as pessoas
E elas nem percebem.
O valor calgado no ter.
E o ser desaparece
Como um fantoche a beira do abismo.


Mas eu me debato
Como um peixe fora da água
Nada poderei mudar no mundo.
A poesia não tem esse poder.


Grão de areia a se perder no grande mar...
Corra poeta,
Que a onda da descrença
Quer te pegar.
Corra até o alto de uma montanha.


E ore, ore.
Para que algum dia
Qualquer dia
Se o mundo não desaparecer por completo
Uma geração de humanos
Realmente habitem o universo!


Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz...

Comentários

  1. Perdeste teu refúgio nas montanhas,
    já não podes subir, já não podes fugir.
    Mas, mesmo sem lugar, não perdeste o sonho de uma humanidade melhor.
    Vc sabe do que falo.
    Belo poema!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Poema FELIZ ANO NOVO, PARA MEU FILHO, GABRIEL, autista.