Os Girassóis!






O tempo
E a palavra
A palavra
Devia ter
Mais valor
Que a escrita.

Assino
Embaixo
Minha letra abandonada
Se nela não couber
Um pedaço da minha alma.

Esqueço do papel
Mas a poesia não me esquece
Condena-me
Ao sentir eterno

A dor na sua dimensão
Exata para me cortar
Como uma navalha afiada.
Acusam-me de incoerente

Perante a tanta gente
E a solidão contínua
De quem sempre imaginou
O bem vencendo o mal.

O sorriso
Enxugando as lágrimas
Seca existência da cidade
O que mata é a frieza
A indiferença
A falácia das vozes vazias.
As promessas ocas
Que jamais serão cumpridas.

Eu daria
Um minuto da minha vida
Por um instante de verdade
Tantos que passam a vida
Sem conhecê-la...

Que confusão esse pensamento
Quer esquecer e se lembra
Que lembrar e se esquece
Quando foi mesmo
Que prometemos nos amar?

A! Quantas horas
Já se passaram desde ontem
E nós irremediavelmente
Amadurecemos
Quem dera sem estragar
O que de melhor
Aprendemos a cultivar...

Sorria
O sol está te filmando
Confie
Amor de poeta
Só acaba se o poema morrer.

Eu me protegi
Dos desenganos
E se há uma lógica
Em sonhar
Apesar de tanta realidade

Eu mergulharei
Nos girassóis
De Van Gogh
Sem medo de partir.
O que importa
O que eles acham de nós
O que importa o que importa?
Somos felizes...

Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Poema FELIZ ANO NOVO, PARA MEU FILHO, GABRIEL, autista.