Eugenia do século 21.







Estou pensando nas retóricas
Gastas dos poderosos.
Para poucos o mundo
Parece valer à pena

A maioria corre
Atrás de migalhas
O que sobra da felicidade alheia.
Mas nem todo sorriso é alegria
Disfarça uma dor por detrás das lágrimas

Como ser feliz, vendo a fome
Consumindo os seres dia a dia
Crianças sem o direito de serem crianças
Esperam um futuro que nunca vira.
Bebem da lama, sucumbem diante
Da fria imagem na TV de 42 polegadas Full HD.

E o mundo finge que nada vê...
A lei estúpida do mais forte, matando o mais fraco...
Mas somente uma mesa farta...
Um copo de água limpa...
E toda vida preservada para ser bem-aventurada.

Cruel alma cativa
Uma dor me toma e me joga
Na mais profunda caverna
Não posso fechar meus olhos
Não posso calar meu poema

Se meus pés pudessem
Se meus sonhos se realizassem
Eu acordaria dessa inércia acomodada
E colocaria em cada boca faminta
O sabor doce da maçã do paraíso

Esse poema cálido e dolorido
É para as crianças que por incoerência
Desumanidade preconceituosa e Imbecil.
Morrem a cada minuto na Somália.

Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Poema FELIZ ANO NOVO, PARA MEU FILHO, GABRIEL, autista.